Em formação

Como identificar um organismo a partir de sua razão de dissimetria?

Como identificar um organismo a partir de sua razão de dissimetria?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Se me for dada a razão de dissimetria de um organismo ((A + T) / (G + C) é uma constante), como posso identificar a fonte do DNA e classificar o organismo?


Depende de qual linhagem (bactérias, vírus, eucariotos) você está interessado e que nível de precisão você espera alcançar.

Conhecemos a razão (A + T) / (G + C) apenas para um punhado de eucariotos. Portanto, se você estava pensando em eucariotos, não há necessidade de procurar muito mais. Você não pode combinar uma razão (A + T) / (G + C) para uma espécie porque não sabemos o (A + T) / (G + C) para a grande maioria das espécies.


Você pode comparar o (A + T) / (G + C) aos de ordens superiores; consulte "aplicativos em sistemática" em https://en.wikipedia.org/wiki/GC-content

(Embora a razão (A + T) / (G + C) não forneça resolução suficiente para identificar as espécies, OP não pediu a identificação das espécies.)


Como identificar um organismo a partir de sua razão de dissimetria? - Biologia

Esta simulação modela como uma bactéria desconhecida pode ser identificada por vários métodos, como observar a aparência do organismo, sua capacidade de coloração, determinar o conteúdo da razão de bases de Guanina e Citosina (G + C) de seu DNA e sequenciar seu RNA ribossomal para comparar para espécies conhecidas. Você estudará bactérias encontradas em uma placa raspada de uma boca humana saudável.

Um dos objetivos da classificação dos organismos é descrever as linhas de descendência evolutiva, criando uma árvore genealógica hierárquica conectando as categorias sucessivas de espécies, gêneros, famílias, ordens, classes, filos e reinos. Na maioria das plantas e animais que se reproduzem sexualmente, esse agrupamento é baseado em semelhanças estruturais e fisiológicas, nas relações evolutivas e no conceito de espécie. Uma espécie é definida como um grupo de organismos que podem cruzar e produzir descendentes férteis em membros maduros.

Nas bactérias, não existem fronteiras nítidas entre as espécies naturais porque a reprodução é assexuada. Cada indivíduo se reproduz por fissão binária. Os novos indivíduos são geneticamente idênticos, exceto por mutações raras. A transferência de material genético entre indivíduos envolve apenas pequenos pedaços de DNA. Isso significa que as espécies bacterianas devem ser definidas de forma diferente.

Os pesquisadores acreditam que a maioria das bactérias ainda não foi descoberta. Os cientistas identificaram cerca de 5.000 espécies de bactérias de uma população estimada de um milhão e mais. Estima-se que a boca humana possa abrigar até 500 espécies de bactérias não identificadas.

Procedimento:
1. Arraste a pipeta do Coloração de Gram recipiente e solte a mancha no lâmina microscópica você deseja examinar. Em seguida, arraste a lâmina microscópica manchada para o estágio do microscópio para visualização. Examine as formas e a capacidade de coloração do organismo no monitor. Clique no Manual de microbiologia e laboratório ícone. Avance ou retroceda as páginas em busca de pistas sobre a identidade do organismo. Compare a forma e a capacidade de coloração dos organismos na lâmina microscópica com as espécies conhecidas no manual.

2. Selecione o tubo de ensaio contendo RNA ribossômico para a bactéria desconhecida selecionada na Etapa 1. Arraste o tubo de ensaio contendo RNA ribossômico para a Unidade Eletroforética de Sequenciamento Genético de RNA ribossômico. Os resultados são exibidos no monitor. Determine a taxa de semelhança com os conjuntos de dados de sequências de RNA ribossômico de espécies bacterianas conhecidas (cepas de tipo) mostradas no Manual de Microbiologia e Laboratório.

3. Selecione o tubo de ensaio contendo DNA para a bactéria desconhecida selecionada na Etapa 1. Em seguida, arraste e solte o tubo de ensaio contendo DNA para o Aparelho de medição de conteúdo GC. Os resultados são exibidos no monitor. Clique no Manual de microbiologia e laboratório ícone. Use o conteúdo de Guanina mais Citosina (G + C) do método de determinação de DNA para comparar o DNA desconhecido a um banco de dados de DNA conhecido de espécies bacterianas (tipo cepas). Clique no Botão Fechar para fechar a sobreposição do Manual de Microbiologia e Laboratório.

4. Clique no Tabela / Gráfico botão. Registre os dados de cada etapa na Tabela de dados. Use o Redefinir botão para reiniciar a simulação. Repita as etapas 1-4 e classifique e identifique as espécies de bactérias desconhecidas restantes.

5. Quando todos os dados forem analisados ​​e registrados na tabela de dados, responda às perguntas do diário.


A teoria celular afirma que:

  • As células são os blocos de construção fundamentais de todos os organismos vivos (ou seja, todos os organismos vivos são compostos de células)
    • Os organismos unicelulares são compostos por uma única célula (por exemplo, bactérias) e, portanto, são o menor tipo de organismo possível.
    • Organismos multicelulares (por exemplo, humanos) são compostos de muitas células

    Figura 1.1 .1 - Células de folhas de musgo

    • A Teoria Celular afirma que:
      • Todos os organismos vivos são feitos de células
      • A célula é a menor unidade de vida
      • As células surgem de células pré-existentes

      Centro de recursos digitais de espectrometria de massa

      Melhore seus resultados de espectrometria de massa
      Explore o novo centro de recursos digitais de especificação de massa para obter informações práticas e dicas para ajudá-lo a atingir seus objetivos. Acesse o site para obter acesso a estes recursos gratuitos:

      • Thermo Scientific Protein Sample Preparação e Quantitação para Espectrometria de Massa Manual sobre ferramentas e técnicas para processamento de amostra mais robusto e reproduzível, quantificação de proteína e calibração de instrumento
      • Artigos técnicos úteis e pôsteres recentes sobre aplicações específicas, como fracionamento subcelular, fracionamento de peptídeos, marcação isobárica e muito mais
      • Webinars sob demanda cobrindo métodos de quantificação de proteínas


      Capítulo 11.1 - Gregor Mendel

      DICA: Em qualquer cruzamento que seja diíbrido (AaBb x AaBb) você sempre obterá uma proporção de 9: 3: 3: 1, se memorizar isso, você pode evitar o trabalho de fazer um quadrado gigante!

      Uma alternativa matemática (LEIS DE PROBABILIDADE)

      Um quadrado punnet não é necessário para determinar as proporções de genótipos e fenótipos. Estatísticas simples e matemática podem evitar o trabalho de preencher um quadrado.

      Em um cruzamento mono-híbrido Pp x Pp, cada pai produziu gametas P e gametas p

      Se você quiser determinar quantos descendentes são pp: x =

      H é dominante para cabelos longos (h = curto) e B é dominante para olhos pretos (b = olhos vermelhos). Se os pais forem.

      HhBb x hhBb

      Quantos descendentes terão cabelos curtos e olhos vermelhos?

      Tarefa: Use a análise matemática para determinar o número de filhos de cabelos curtos e olhos pretos da cruz acima.

      CRUZ DE TESTE DE DOIS TRAÇOS

      Usado para determinar o genótipo de um "desconhecido" cruzando-o com um indivíduo que é homozigoto recessivo para ambas as características.

      Em moscas (asas longas são dominantes para asas curtas, corpo cinza é dominante para preto)

      A L __ G ___ é um teste cruzado.

      Os descendentes são 1: 1: 1: 1 - & gt Qual é o genótipo do progenitor desconhecido?
      Se a prole for metade alada longa e cinza, e metade alada longa e preta - & gt Qual é o genótipo do progenitor desconhecido?


      Diferença entre gênero e espécie

      Embora o gênero e a espécie sejam referidos para indicar um determinado animal ou planta ou qualquer organismo, existem diferenças entre os dois que todos devem saber. Na classificação biológica, o gênero vem primeiro, seguido pelas espécies, e as espécies nunca são declaradas sozinhas. Esses dois são os níveis taxonômicos consideráveis ​​mais baixos, mas estão acima de subespécies, raças ou tipos. No entanto, muitos costumavam confundir os dois termos, gênero e espécie. Antes de entender a diferença entre os dois, é importante conhecer os significados de gênero e espécie, e este artigo segue isso. Uma comparação é apresentada após as informações sobre os dois assuntos.

      O que é gênero?

      Gênero significa tipo ou descendência em latim ou raça em grego. É uma classificação taxonômica inferior em comparação com a família ou subfamília. As classificações em nível de gênero são muito valiosas quando se trata de estudos de fósseis, pois os detalhes do entendimento dos organismos até as espécies nem sempre são possíveis. Dois organismos de um gênero podem ou não produzir uma prole com fertilidade sexual, mas é muito certo que organismos de dois gêneros diferentes (plural de gênero) nunca podem produzir uma prole fértil. As características ou características dos organismos do mesmo gênero são muito semelhantes, mas existem diferenças suficientes para tornar impossível a criação de descendentes com fertilidade sexual. Um gênero pode conter muitas espécies e poucos gêneros podem pertencer a uma família ou subfamília. Na nomenclatura biológica dos organismos, o nome genérico ou o gênero vem primeiro. Além disso, deve ser redigido em letras do idioma inglês e a palavra deve ser iniciada em maiúscula e o restante em letras simples. Além disso, uma letra em inglês com um ponto pode ser usada para abreviar um nome genérico previamente soletrado por escrito. No entanto, existem muitas outras regras para aquelas declaradas aqui na indicação de um nome científico de acordo com os Códigos de Nomenclatura.

      O que é espécie?

      Espécie é um grupo de organismos com características semelhantes e a reprodução sexual entre um macho e uma fêmea deles produz uma prole fértil. Todos os organismos de uma espécie em particular possuem o mesmo número de cromossomos, o que significa que têm características morfológicas semelhantes. Portanto, os nichos ecológicos são mais ou menos semelhantes dentro de cada indivíduo. Normalmente, uma espécie em particular tem características específicas de espécies exclusivas que não são vistas em outras espécies. No entanto, a capacidade de produzir uma progênie fértil é a regra básica que classifica os organismos em uma espécie acima de todas as características descritas sobre as espécies biológicas. Uma espécie pode ser dividida em subespécies, mas não há muita diferença entre as subespécies. De acordo com a taxonomia, pode haver qualquer número de espécies em um gênero, que é de fato o ancestral da espécie. Ao escrever o gênero e a espécie, há uma forma científica aceita de seguir sublinhada separadamente em ocorrências manuscritas ou em itálico em ocasiões escritas à máquina. O nome da espécie vem próximo ao gênero tanto na forma manuscrita quanto datilografada. No entanto, pode haver qualquer número de raças ou subespécies dentro de uma espécie em particular. A espécie é o desvio mais importante que causa a diversidade da vida, e não é justo perguntar a qualquer cientista sobre o número de espécies no mundo, pois está muito além do que qualquer um possa imaginar.

      Qual é a diferença entre gênero e espécie?

      • Gênero é o primeiro nome e a espécie é o segundo nome de um nome científico de qualquer organismo.

      • O gênero tem uma classificação mais elevada em comparação com as espécies na hierarquia da taxonomia.

      • Dois animais férteis de uma espécie podem produzir uma progênie fértil, enquanto dois animais de um gênero podem ou não.

      • O gênero tem uma faixa estratigráfica mais ampla em comparação com as espécies. No entanto, o número de espécies é obviamente maior do que o número de gêneros.


      Introdução

      Desde o reconhecimento de que a vida na Terra é caracterizada por uma notável regularidade na proporção dos elementos, originalmente caracterizada por Redfield (Redfield 1958 Geider e La Roche 2002 Oitenta anos de Redfield 2014), as proporções estequiométricas têm sido um alvo primário de medições astrobiológicas e teorias (Elser 2003 Young et al. 2014). De uma perspectiva astrobiológica, as questões naturais que emergem são quanta variação existe nessas proporções em toda a gama de ambientes e diversidade biológica na Terra, como as diferentes proporções poderiam ter sido no tempo, quão diferentes poderiam ser para a vida não terráquea e como eles dependem da composição planetária (Elser 2003 Young et al. 2014 Anbar 2008 Chopra e Lineweaver 2008 Lineweaver e Chopra 2012 Neveu et al. 2016 Wang et al. 2018 Geider e La Roche 2002). Na Terra, a proporção de Redfield é conhecida por variar significativamente devido aos efeitos ambientais e fisiológicos que foram considerados em teorias ecológicas e biogeoquímicas (por exemplo, Geider e La Roche 2002 Klausmeier et al. 2004a, b, 2008 Loladze e Elser 2011 Neveu et al. 2016 Sterner e outros 2008 Vrede e outros 2004 Elser e outros 2000 Kerkhoff e outros 2005 Elser e outros 2010 Liefer e outros 2019 Finkel e outros 2016a, b). Para uma vida com uma história evolutiva diferente, precisamos de novas abordagens que sejam capazes de generalizar a fisiologia do organismo e definir quando as proporções estequiométricas associadas à vida são distintas e distinguíveis do ambiente.

      Nossa abordagem geral aqui é primeiro focar nas macromoléculas e fisiologia compartilhadas por toda a vida na Terra. Para as macromoléculas, estamos interessados ​​em componentes como proteínas, ácidos nucléicos e membranas celulares. Para a fisiologia compartilhada, consideramos processos como taxas de crescimento, absorção de nutrientes e armazenamento de nutrientes, alguns dos quais são derivados da composição macromolecular das células. Ao pensar sobre a aplicabilidade dessas duas perspectivas à vida em qualquer lugar do universo, é importante observar que o conjunto específico de macromoléculas pode variar significativamente, enquanto os processos fisiológicos gerais podem ser mais conservados. No entanto, nosso tratamento das macromoléculas é facilmente generalizado se fizermos duas suposições: 1) que a vida em outro lugar compartilha um conjunto de macromoléculas, mesmo se esse conjunto for muito diferente da vida terráquea, e 2) que essas macromoléculas caem em relações de escala sistemáticas. Ao longo deste artigo, operamos dentro dessas duas suposições e primeiro abordamos a observação e as implicações de (2), antes de passar para um tratamento geral da escala fisiológica que abstrai os detalhes subjacentes de (1). Ao longo do tempo, vamos e voltamos entre os padrões observados em organismos únicos de diferentes tamanhos e os resultados agregados para ecossistemas inteiros compostos de diversos organismos, que caracterizamos por uma distribuição de tamanhos de células.

      Primeiro, consideramos como sistematizar a estequiometria em toda a diversidade da vida microbiana usando leis de escala baseadas no tamanho da célula. Em seguida, combinamos isso com as distribuições de abundância para obter uma perspectiva simples sobre a estequiometria em massa esperada para uma população de vários tamanhos de células e demonstramos o impacto que as distribuições de tamanho podem ter sobre essas estequiometrias em massa. Em seguida, nos voltamos para um modelo quimiostático simples de biogeoquímica, onde os nutrientes fluem para um ambiente e interagem com a fisiologia celular. Aqui, consideramos as diferenças na estequiometria celular e de fluido em um ecossistema composto primeiro por um único tamanho de célula e, em seguida, por vários tamanhos de células. Esta abordagem depende do dimensionamento das características fisiológicas em massa, como cotas de nutrientes, com o tamanho da célula, e terminamos generalizando os expoentes dessas relações de dimensionamento e mostrando as consequências que isso tem nas diferenças entre a estequiometria de particulado e fluido. Ao longo do livro, discutimos as assinaturas gerais da vida que existem tanto no nível celular quanto no nível do ecossistema.


      NCERT Exemplar Classe 11 Biology Solutions Cell Cycle and Cell Division

      Questões de múltipla escolha
      1. Meiose em organismos diplóides resulta em
      (a) produção de gametas
      (b) redução do número de cromossomos
      (c) introdução de variação
      (d) todos os itens acima.
      soln. (d): Meiose é a divisão celular responsável pela produção de gametas por meio da divisão reducionista, durante a qual o número de cromossomos é reduzido à metade. O cruzamento que ocorre no paquiteno (Prófase & # 8211 I, Meiose -1) resulta na introdução de variação.

      2. Em qual estágio da meiose a constituição genética dos gametas é finalmente decidida?
      (a) Metáfase-I (b) Anáfase-II (c) Metáfase & # 8211 II (d) Anáfase -1
      soln. (d): Os cromossomos paternos e maternos de cada par homólogo segregam durante a anáfase I, independentemente dos outros cromossomos. A anáfase I é o evento citológico que corresponde à lei de Mendel & # 8217s de classificação independente. Embora os cromossomos paternos e maternos de um par homólogo tenham os genes para as mesmas características, cada cromossomo de um par pode carregar diferentes alelos dos mesmos genes. Portanto,
      o sortimento independente de cromossomos homólogos na anáfase I introduz variabilidade genética.

      Mais recursos para CBSE Classe 11

      3. A meiose ocorre em organismos durante
      (a) reprodução sexuada
      (b) reprodução vegetativa
      (c) reprodução sexual e vegetativa
      (d) nenhum destes.
      soln. (a): Meiose é uma divisão celular que garante a produção da fase haplóide no ciclo de vida dos organismos que se reproduzem sexualmente. Ele reduz o número de cromossomos à metade, de modo que cada núcleo filho recebe apenas um conjunto de cada tipo de cromossomo.

      4. Durante a anáfase -1 da meiose
      (a) cromossomos homólogos separados
      (b) cromossomos não homólogos separados
      (c) os cromossomos das cromátides irmãs separam-se
      (d) cromossomos de cromátides não-irmãs separados.
      soln. (a): Durante a anáfase I, de cada tétrade, duas cromátides de um cromossomo se movem como uma unidade (díade) para um pólo de um fuso, e as duas cromátides restantes de seu homólogo migram para o pólo oposto. & # 8216Assim, os cromossomos homólogos de cada par, em vez das cromátides de um cromossomo, são separados. Como resultado, metade dos cromossomos, que aparecem na prófase inicial, vão para cada pólo. É na anáfase I que ocorre a redução real do número de cromossomos.

      5. A mitose é caracterizada por
      (a) divisão de redução
      (b) divisão igual
      (c) redução e divisão igual
      (d) emparelhamento de cromossomos homólogos.
      soln. (b): Mitose é um tipo de divisão celular em que os cromossomos se replicam e se distribuem igualmente (quantitativa e qualitativamente) em dois núcleos filhos, de modo que as células filhas diploides têm complemento genético igual e idêntico ao da célula-mãe.

      6. Um bivalente de meiose-l consiste em
      (a) duas cromátides e um centrômero
      (b) duas cromátides e dois centrômeros
      (c) quatro cromátides e dois centrômeros
      (d) quatro cromátides e quatro centrômeros.
      soln . (c): O bivalente é formado durante o zigoteno da prófase I. Cada bivalente é composto por quatro cromátides, dois de cada cromossomo. Centrômero é a parte do cromossomo que se liga ao fuso durante a divisão celular. Cada bivalente, portanto, contém dois centrômeros.

      7. As células que não estão se dividindo provavelmente estarão em
      (a) G1 (b) G2
      (CG0 (d) Fase S.
      soln. (c): Células que não se dividem mais e saem de G1 fase para entrar em um estágio inativo chamado estágio quiescente (G0 ) do ciclo celular. As células neste estágio permanecem metabolicamente ativas, mas não crescem e se diferenciam, a menos que sejam estimuladas por um sinal apropriado, dependendo das necessidades do organismo.

      8. Qual dos eventos listados abaixo não é observado durante a mitose?
      (a) Condensação da cromatina
      (b) Movimento dos centríolos para pólos opostos
      (c) Aparecimento de cromossomos com duas cromátides unidas no centrômero
      (d) Cruzamento
      soln. (d): O cruzamento ocorre durante a meiose I e não na mitose.

      9.Identifique a afirmação errada sobre a meiose.
      (a) Emparelhamento de cromossomos homólogos
      (b) Quatro células haplóides são formadas
      (c) No final da meiose, o número de cromossomos é reduzido à metade
      (d) Ocorrem ciclos Twp de replicação de DNA
      soln. (d): Apenas um ciclo de replicação de DNA ocorre durante a meiose. A meiose consiste em duas divisões sucessivas (meiose I e meiose II), mas nenhuma replicação de DNA antes da segunda divisão.

      10. Selecione a afirmação correta sobre G1 Estágio.
      (a) A célula é metabolicamente inativa.
      (b) O DNA na célula não se replica.
      (c) Não é uma fase de síntese de macromoléculas.
      (d) A célula para de crescer.
      soln. (b): G1 pertence à interfase do ciclo celular que é a etapa metabolicamente ativa. Durante G1, ocorre a síntese de ATP, nucleotídeos, aminoácidos, RNAs e proteínas. O DNA se replica na fase S do ciclo celular e não na fase G1 Estágio.

      Perguntas do tipo resposta muito curta
      1. Entre um procarioto e um eucarioto, qual célula tem um tempo de divisão celular mais curto?
      soln. A célula procariótica tem menor tempo de divisão do que a célula eucariótica, pois a célula bacteriana se divide em 20 minutos, enquanto a célula humana se divide uma vez a cada 24 horas.

      2. Qual das fases do ciclo celular tem maior duração?
      soln. A interfase tem a duração mais longa, pois apenas 1 hora do ciclo celular de 24 horas é gasta na fase M.

      3. Cite uma mancha comumente usada para colorir cromossomos.
      soln. Violeta de genciana, cor de Safranin e Giemsa são comumente usados ​​para colorir cromossomos.

      4. Qual tecido de animais e plantas exibe meiose?
      soln. A meiose ocorre nas células germinativas durante a reprodução sexuada, resultando na formação de esporos e gametas, por se tratar de uma divisão redutora.

      5. Dado que o tempo médio de duplicação de E. coli é de 20 minutos, quanto tempo duas células de E. coli levarão para se tornarem 32 células?
      soln. Em determinada questão, quatro divisões celulares resultam na formação de dezesseis células a partir de uma célula de E. coli. Se uma divisão celular leva 20 minutos, então quatro divisões celulares levam 80 minutos (ou 1 hora e 20 minutos).
      Assim, uma célula produz dezesseis células em 1 hora e 20 minutos.
      Assim, duas células produziriam 32 células em 1 hora e 20 minutos.

      6. Qual parte do corpo humano deve ser usada para demonstrar os estágios da mitose?
      soln. Todas as células somáticas, exceto as células germinativas do corpo humano, podem ser usadas para demonstrar os estágios da mitose. A divisão celular mitótica é observada em células somáticas diplóides em animais. É também chamada de divisão equacional ou divisão de células somáticas.

      7. Quais atributos uma cromátide requer para ser classificada como um cromossomo?
      soln. A cromátide é uma das duas fitas filhas de um cromossomo duplicado que são unidas por um único centrômero e se separam durante a divisão celular para se tornar um cromossomo individual. Após a separação das cromátides irmãs, é classificado como um cromossomo.

      8. O diagrama mostra um bivalente na prófase-I da meiose. Qual das quatro cromátides pode se cruzar?

      soln. Os cromossomos homólogos formam pares chamados bivalentes. Cada bivalente é composto por quatro cromátides, duas de cada cromossomo. As duas cromátides pertencentes ao mesmo cromossomo são chamadas de cromátides irmãs e as cromátides de dois cromossomos diferentes são chamadas de cromátides não-irmãs. A troca de material genético, ou seja, o cruzamento ocorre entre duas cromátides não irmãs de
      cromossomos homólogos.

      9. Se um tecido tem em um determinado momento 1024 células, a quantos ciclos de mitose a única célula parental original sofreu?
      soln. 2 n = número de células-filhas
      onde n = número de ciclos.
      Aqui np. de células-filhas é 1024.
      ou seja, 1024 = 2 n
      2 10 = 2 n
      n = 10.

      10. Uma antera tem 1200 grãos de pólen. Quantas células-mãe de pólen deveriam existir para produzi-los?
      soln. Uma célula-mãe de pólen produz quatro grãos de pólen, portanto, 300 células-mãe de pólen produziriam 1200 grãos de pólen.

      11. Em que estágio do ciclo celular ocorre a síntese de DNA?
      soln. No ciclo celular, a síntese de DNA ocorre durante a fase S (fase sintética). Durante a fase S, os cromossomos se replicam e o conteúdo de DNA duplica.

      12. Diz-se que o único ciclo de divisão celular em células humanas (células eucarióticas) leva 24 horas. Qual fase do ciclo você acha que ocupa a maior parte do ciclo celular?
      soln. G1 fase da interfase é de duração mais longa. Demora cerca de 10 horas em um ciclo celular de 24 horas.

      13. Observa-se que as células do coração não apresentam divisão celular. Essas células não se dividem mais e
      sair______ fase para entrar em uma fase inativa
      estágio denominado ______do ciclo celular. Preencher os espaços.
      soln. Observa-se que as células do coração não apresentam divisão celular. Essas células não se dividem mais e saem da fase Gj para entrar em um estágio inativo chamado G0 do ciclo celular. Preencher os espaços.

      14. Em que fase da meiose são formadas as seguintes? Escolha as respostas dos pontos de dica fornecidos abaixo.
      (a) Complexo sinaptonemal________
      (b) Nódulo de recombinação________
      (c) Aparecimento / ativação de________
      enzima recombinase
      (d) Rescisão de chiasmata________
      (e) Interquinésia _________
      (f) Formação da díade de células________
      Sugestões: (1) Zigoteno, (2) Paquiteno, (3) Paquiteno, (4) Diacinese, (5) Após a telófase-I / antes da Meiose-II, (6) Telofase-I / Após a Meiose-I.
      soln.
      (a) Zigoteno complexo sinaptonemal
      (b) Nódulo de recombinação Paquiteno
      (c) Aparecimento / ativação da enzima Pachytene recombinase
      (d) Término da quiasmata diacinese
      (e) Interquinese após a telófase-I / antes da meiose II
      (f) Formação da díade de células Telofase 1 / Após Meiose-I.

      Perguntas do tipo resposta curta
      1. Declare o papel dos centríolos, além da formação do fuso.
      soln. Além da formação do fuso, os centríolos são capazes de replicação. Embora os centríolos não contenham DNA, eles são capazes de formar novos centríolos. O centríolo distal no espermatozóide forma o filamento axial ou cauda. Centríolos podem ser transformados em corpos basais, que formam cílios e flagelos.

      2.Mitocôndrias e plastídios têm seu próprio DNA (material genético). O que se sabe sobre seu destino durante a divisão nuclear, como a mitose?
      soln. Mitocôndrias e plastídios possuem DNA cromossômico extra. Cariocinesia é a divisão nuclear, na qual o núcleo se divide para formar dois núcleos filhos. Portanto, mitocôndrias e plastídios não sofrem mitose de forma independente.

      3. Rotule o diagrama e também determine o estágio em que essa estrutura é visível.

      soln. O diagrama fornecido mostra a transição da prófase para a metáfase.

      4. Uma célula possui 32 cromossomos. Ele sofre divisão mitótica. Qual será o número do cromossomo (n) durante a metáfase? Qual seria o conteúdo de DNA (C) durante a anáfase?
      soln. A divisão celular mitótica ocorre nas células somáticas de um organismo. O número de cromossomos nas células-filhas permanece igual ao da célula-mãe (em divisão), pois a mitose é uma divisão equacional, portanto, mesmo na metáfase ou anáfase, o número do cromossomo não muda. O conteúdo de DNA é duplicado na fase sintética da interfase e dividido na anáfase, mas o número de cromossomos permanece o mesmo.

      5. Ao examinar o estágio mitótico em um tecido, encontramos algumas células com 6 cromossomos e outras com 32 cromossomos. Que possíveis razões você poderia atribuir a essa diferença no número de cromossomos. Você acha que células com 16 cromossomos poderiam ter surgido de células com 32 cromossomos ou vice-versa
      soln. A diferença no número de cromossomos durante a divisão mitótica pode ser devido à poliploidia, ou seja, ter mais de dois conjuntos de cromossomos. Ocorre devido à falha de separação dos cromossomos durante a anáfase ou devido à não disjunção. Assim, a mudança no número de cromossomos pode ser devido a mutações. Células com 32 cromossomos podem ter surgido de células com 16 cromossomos.

      6. Os eventos a seguir ocorrem durante as várias fases do ciclo celular, nomeie a fase em relação a cada um dos eventos.
      (a) Desintegração da membrana nuclear________
      (b) Aparência do nucléolo________
      (c) Divisão do centrômero________
      (d) Replicação de DNA________
      soln.
      (a) Desintegração da Prófase Tardia da membrana nuclear.
      (b) Aparecimento da telófase do nucléolo.
      (c) Divisão da anáfase do centrômero.
      (d) Replicação da fase S do DNA.

      7.A mitose resulta na produção de duas células semelhantes entre si. Qual seria a consequência se cada uma das seguintes irregularidades ocorressem durante a mitose?
      (a) A membrana nuclear não se desintegra
      (b) A duplicação do DNA não ocorre
      (c) Centrômeros não se dividem
      (d) A citocinese não ocorre
      soln. (a) Se a membrana nuclear não se desintegrar, ocorre mitose intranuclear, o que significa que a fibra do fuso se forma dentro do núcleo e onde ocorre mitose.
      (b) A cariocinese é seguida pela citocinese. Se a síntese de DNA não ocorrer, a célula filha receberá metade da quantidade de DNA original.
      (c) Se os centrômeros não se dividem, os cromossomos não se separam e as cromátides não se movem em direção aos pólos opostos, levando à não disjunção dos cromossomos.
      (d) Citocinese é a divisão do citoplasma da célula-mãe em duas células-filhas. A não ocorrência da citocinese não resultaria na formação de células-filhas.

      8. Tanto os organismos unicelulares quanto os multicelulares sofrem mitose. Quais são as diferenças, se houver, observadas no processo entre os dois?
      soln. Em organismos unicelulares, a mitose é um método de reprodução assexuada. Por exemplo, em bactérias, a mitose resulta na formação de células-filhas idênticas. No entanto, em organismos multicelulares, a mitose ajuda no crescimento e reparo de células e tecidos. Por exemplo, reparo de pele danificada por meio da produção de novas células da pele.

      9. Cite a condição patológica quando ocorre divisão celular não controlada.
      soln. O câncer é uma condição patológica que resulta da proliferação descontrolada de células sem qualquer diferenciação. As células cancerosas perderam a propriedade de inibir o contato, invadindo e destruindo os tecidos circundantes.

      10. Dois eventos-chave ocorrem durante a fase S em células animais, replicação de DNA e duplicação de centríolo. Em que partes da célula ocorrem os eventos?
      soln. Na célula animal, durante a fase S, a replicação do DNA começa dentro do núcleo, enquanto a duplicação dos centríolos ocorre no citoplasma.

      11.Comentário sobre a declaração & # 8211 Meiose permite a conservação do número de cromossomos específicos de cada espécie, embora o processo por si só resulte na redução do número de alguns cromossomos.
      Soln. & # 8216 Meiose é a divisão redutora que garante a produção da fase haplóide no ciclo de vida dos organismos que se reproduzem sexualmente, mas a fertilização restaura a fase diplóide, portanto, permite a conservação do número específico de cromossomos. Por exemplo, os gametas produzidos por 2n pais são haplóides (n), mas o zigoto é diplóide.

      12. Cite uma célula que foi encontrada presa no estágio de diploteno por meses e anos. Comente em 2-3 linhas como ele completa o ciclo celular.
      soln. Os oócitos são presos no estágio de diplóteno da prófase I da meiose I. Eles são submetidos à síntese de DNA e o pareamento dos cromossomos ocorre, mas a meiose não prossegue. Após atingir a puberdade, o folículo primário amadurece em folículo secundário e terciário. Oócito primário completa a meiose I e forma oócito secundário e o segundo corpo polar. O folículo terciário cresce para formar o folículo de Graaf e o oócito secundário prossegue com a meiose II e é interrompido na metáfase II.

      13.Como a citocinese em células vegetais difere daquela em células animais?
      soln. Diferenças entre citocinese vegetal e citocinese animal:

      Perguntas do tipo resposta longa
      1. Comentário sobre a declaração & # 8211 Telofase é o reverso da prófase.
      soln. Durante a telófase, os eventos da prófase ocorrem em sequência reversa. A prófase é conhecida pela iniciação da condensação do material cromossômico, que durante o processo de condensação da cromatina se desemaranha e, finalmente, o centríolo (já duplicado durante a fase S da interfase) começa a se mover em direção ao pólo oposto da célula. Nesta fase, o início da montagem do fuso mitótico, os componentes microtubulares e proteicos do citoplasma celular ajudam na conclusão do processo.
      No final da prófase, isto é, durante a prófase tardia, o nucléolo se desintegra gradualmente e o envelope nuclear desaparece. Este desaparecimento marca o fim da prófase.
      O reverso da prófase é a telófase. No início desse estágio, o fuso desaparece (absorvido no citoplasma) e os cromossomos se decondensam e perdem ainda mais sua individualidade após atingirem seus respectivos pólos. Os cromossomos gradualmente se desenrolam e se agrupam em pólos opostos do fuso, assim, sua identidade individual como elementos discretos é perdida. O envelope nuclear se reforma lentamente em torno de cada grupo de cromossomos e o nucléolo, o complexo de Golgi e o ER reaparece.

      2. Quais são os vários estágios da prófase-I meiótica? Enumere os eventos cromossômicos durante cada estágio.
      soln. Prófase-I é o primeiro estágio da meiose-I. É considerada a fase mais complicada e prolongada em comparação com a fase semelhante da mitose.
      É ainda subdividido em cinco subfases com base no comportamento cromossômico, ou seja, leptoteno, zigoteno, paquiteno, diploteno e diacinese.
      (i) Leptoteno: é conhecido por ser o primeiro estágio da divisão meiótica após a interfase. Durante esse estágio, os cromossomos se tornam gradualmente visíveis ao microscópio de luz, os centríolos começam a se mover em direção a extremidades ou pólos opostos e cada centríolo desenvolve raios astrais. Cada cromossomo está ligado ao envelope nuclear através da placa de fixação em ambas as extremidades.
      (ii)Zygotene : This is the next sub-stage that takes place after the completion of the leptotene. In this stage homologous chromosomes pair up. This pairing is done in a such a way that the genes of the same character present on the two chromosomes lie exactly opposite to each other. This process of association is known as synapsis. Formation of synaptonemal complex takes place by a pair of homologous chromosomes that show synapsis. The complex so formed, on account of synapsis forms a bivalent or a tetrad.
      (iii)Pachytene: It is the stage which
      immediately follows zygotene where the pair of chromosomes become twisted spirally around each other and cannot be distinguished separately. Bivalent chromosomes are clearly seen as tetrads. In this stage, sometimes exchange of genes or crossing over between the two non-sister chromatids of homologous chromosomes occurs at the points called recombination nodules, which appear at intervals on synaptonemal complex. By the end of pachytene recombination gets completed leaving the chromosomes linked at the sites of crossing over.
      (iv)Diplotene : It is the stage of longest duration of all. In this the synaptonemal complex appears to get dissolve while, the chromatids of each tetrad remain clearly visible. Recombined homologous chromosomes of thebi valents get separated and form chiasmata (X-shaped structures). Chiasmata formation is necessary for the separation of homologous chromosome which have undergone the process of crossing-over.
      (v) Diakinesis : This is known to be the final stage of meiotic prophase-I. Also known as terminalisation, due to the shifting of chiasmata towards the end of the chromosomes. Chromosomes become fully condensed, nucleolus degenerates, nuclear envelope breakdown into vesicles and there is formation of meiotic spindle (as in mitosis) in order to prepare the homologous chromosomes for separation.

      3.Differentiate between the events of mitosis and meiosis.
      soln. Differences between mitosis and meiosis are:

      4.Write brief note on the following:
      (a) Synaptonemal complex
      (b) Metaphase plate
      soln. (a) The synaptonemal complex is a tripartite, ribbon-like structure, and is sihiated between pairing homologous chromosomes. It consists of a dense central element, with a dense lateral element on either side. Each lateral element is attached on the inner side of a homologous chromosome. The space between the central and lateral elements is traversed by a series of transverse units of LC fibres (L for lateral and C for central), which connects the two. O complexo sinaptonemal está ligado em ambas as extremidades, por meio de seus elementos laterais, à superfície interna da membrana nuclear. The central element is not attached directly. Also arising from the lateral elements is another series of smaller loops. These loops fuse in the middle line to make up the central element. The transverse parts of the loops form the transverse units or LC fibres. The central element is simple in some organisms (e.g., frogs and mice) and tripartite in other (e.g., insects). Each lateral element consists of two protein filaments, one for each sister chromatid. Synaptonemal complex first appears during zygotene.

      (b) Centromere of all the chromosomes form a plate called metaphasic plate or equatorial plate. This plate is formed during metaphase
      stage of mitosis and meiosis. On this plate the small chromosomes come to lie towards the interior while the larger one are arranged towards the periphery. The centromeres of all the chromosomes lie on the equator while the limbs are placed variously according to their size and spatial arrangement.

      5.Write briefly the significance of mitosis and meiosis in multicellular organism.
      soln. Significance of mitosis is multicellular organisms are as follows:
      (i)Growth. Somatic cells are formed by mitosis. Therefore, mitosis is essential for growth and development of a multicellular organism. Plants are able to grow throughout their life due to mitotic divisions in their apical and lateral meristems.
      (ii)Nucleocytoplasmic’ Ratio : An efficient cell has a high nucleocytoplasmic ratio. Increase in size lowers the ratio. It is brought back to efficient level through division.
      (iii)Maintenance of Chromosome Number : Mitosis involves replication and equitable distribution of all the chromosomes so that all the cells of a multicellular organism have the same number and type of chromosomes. This helps in proper co-ordination among different cells.
      (iv)Regeneration : Mitosis keeps all the somatic cells of an organism genetically similar, resembling the fertilised egg. They, therefore, are able to regenerate part or whole of the organism.
      (v) Repair and Healing: It is a mechanism for replacing old or worn out cells. An injury or wound is healed by repeated mitotic divisions of the surrounding healthy cells.
      (vi)Opportunity for differentiation: Mitosis produces multicellular condition. It provides opportunity for differentiation.
      Significance of meiosis in multicellular organism are as follows:
      (i) Formation of gametes: Meiosis forms gametes that are essential for sexual reproduction.
      (ii)Maintenance of chromosome number :
      Meiosis maintains the fixed number of chromosomes in sexually reproducing organisms by halving the same. It is essential since the chromosome number becomes double after fertilisation.
      (iii)Assortment of Chromosomes : In meiosis paternal and maternal chromosomes assort independently. It causes reshuffling of chromosomes and the traits controlled by them. The variations help the breeders in improving the races of useful plants and animals.
      (iv)Crossing over : It introduces new combination of traits or variation.

      6.An organism has two pair of chromosomes (i.e., chromosome number = 4). Diagrammatically represent the chromosomal arrangement during different phases of meiosis-ll.
      soln.


      What is the Difference Between Plants and Animals?

      Plants and animals differ from each other in many ways. Primarily, animals can move from place to place while plants cannot move as they are rooted to the soil. Thus, this is the key difference between plants and animals. Furthermore, plants are autotrophs while animals are heterotrophs. Another difference between plants and animals is the presence of chloroplasts and chlorophylls in plants while those are absent in animals. Moreover, plants differ from animals by the reproduction as well. Hence, plants reproduce via seeds, spores, stems, roots and leaves while animals reproduce sexually by laying eggs or giving birth to young ones.

      The below infographic on difference between plants and animals shows more differences between both.


      How can one identify an organism from its dissymmetry ratio? - Biologia

      Archaeologists use the exponential, radioactive decay of carbon 14 to estimate the death dates of organic material. The stable form of carbon is carbon 12 and the radioactive isotope carbon 14 decays over time into nitrogen 14 and other particles. Carbon is naturally in all living organisms and is replenished in the tissues by eating other organisms or by breathing air that contains carbon. At any particular time all living organisms have approximately the same ratio of carbon 12 to carbon 14 in their tissues. When an organism dies it ceases to replenish carbon in its tissues and the decay of carbon 14 to nitrogen 14 changes the ratio of carbon 12 to carbon 14. Experts can compare the ratio of carbon 12 to carbon 14 in dead material to the ratio when the organism was alive to estimate the date of its death. Radiocarbon dating can be used on samples of bone, cloth, wood and plant fibers.

      The half-life of a radioactive isotope describes the amount of time that it takes half of the isotope in a sample to decay. In the case of radiocarbon dating, the half-life of carbon 14 is 5,730 years. This half life is a relatively small number, which means that carbon 14 dating is not particularly helpful for very recent deaths and deaths more than 50,000 years ago. After 5,730 years, the amount of carbon 14 left in the body is half of the original amount. If the amount of carbon 14 is halved every 5,730 years, it will not take very long to reach an amount that is too small to analyze. When finding the age of an organic organism we need to consider the half-life of carbon 14 as well as the rate of decay, which is &ndash0.693.

      For example, say a fossil is found that has 35% carbon 14 compared to the living sample. How old is the fossil?
      We can use a formula for carbon 14 dating to find the answer.

      Where t1/2 is the half-life of the isotope carbon 14, t is the age of the fossil (or the date of death) and ln() is the natural logarithm function. If the fossil has 35% of its carbon 14 still, then we can substitute values into our equation.

      So, the fossil is 8,680 years old, meaning the living organism died 8,680 years ago.


      Math Central is supported by the University of Regina and The Pacific Institute for the Mathematical Sciences.


      Assista o vídeo: Soils Support Agriculture (Dezembro 2022).