Em formação

Por que posso entender a fala por um ouvido melhor do que pelo outro?

Por que posso entender a fala por um ouvido melhor do que pelo outro?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Em primeiro lugar, faço muita música por isso estou habituado a captar pormenores sonoros e tenho feito testes de audição que mostram que os meus ouvidos estão bastante equilibrados, para a minha idade, sem pontos mortos.

Quando estou em uma situação social, ouvirei as vozes das pessoas igualmente bem em ambos os lados, mas irei 'entender' o diálogo melhor de um lado.

Lembro-me de ter lido muitos anos atrás que isso é normal e há uma razão conhecida para isso, mas não consigo encontrar muito sobre esse assunto.

Alguém aqui sabe por que isso está acontecendo?


Lembro-me de ter lido muitos anos atrás que isso é normal ...

Na verdade, isso é normal e bastante esperado: entendimento a voz é uma tarefa do cérebro, não uma tarefa do ouvido (órgão sensorial), e se houver diferença nas capacidades de análise entre o hemisfério esquerdo e direito (que é o caso, como veremos em breve), os estímulos capturados pela orelha direita serão tratados de forma diferente dos estímulos captados pela orelha esquerda.

Para entender o que está acontecendo aqui, precisamos saber duas coisas: a área de Wernicke e o teste de escuta dicótica.

A área Wernicke, citando a Wikipedia, é ...

... localizado na seção posterior do giro temporal superior (STG) no (mais comumente) hemisfério cerebral esquerdo. Está envolvida na compreensão ou compreensão da linguagem escrita e falada (em contraste com a área de Broca que está envolvida na produção da linguagem).

Assim, na maioria das pessoas, o hemisfério esquerdo é responsável por (grande parte) das capacidades linguísticas, tanto na produção da linguagem (área de Broca) quanto na compreensão da linguagem (área de Werneck).

Agora vem o teste de escuta dicótica. No teste de escuta dicótica, dois estímulos diferentes são apresentados a cada orelha. Os resultados do teste indicam que há preferência pela informação capturada por uma das orelhas.

De acordo com Freberg (2010):

A escuta dicótica está relacionada à lateralização do hemisfério para a linguagem: quando informações conflitantes são fornecidas aos dois ouvidos, a pessoa que tem a linguagem lateralizada para o hemisfério esquerdo mostrará um preferência pela palavra ouvida pelo ouvido direito. A informação apresentada à orelha direita chegará à área de Wernicke no hemisfério esquerdo mais rápido do que a informação apresentada à orelha esquerda. (ênfase minha)

Aqui está uma imagem explicando o teste (clique para aumentar o tamanho):

Como você pode ver, há uma vantagem para o ouvido direito. De acordo com Hugdahl et al. (2003):

No presente artigo, relatamos a percepção da fala em pacientes não-afásicos do lobo frontal esquerdo (n = 16) e direito (n = 10) em comparação com controles saudáveis ​​(n = 26). [...] Os resultados mostraram diferenças significativas entre os pacientes lesionados direito e esquerdo no desempenho no teste de escuta dicótica. Enquanto os pacientes com lesões certas e os indivíduos de controle tiveram um vantagem normal e esperada da orelha direita, os pacientes com lesão esquerda tiveram desempenho quase aleatório em relação ao estímulo da orelha direita e esquerda. (ênfase minha)

Fontes:

  • Freberg, L. (2010). Descobrindo a psicologia biológica. 1ª ed.
  • Hugdahl, K., Bodner, T., Weiss, E. e Benke, T. (2003). Desempenho de escuta dicótica e função do lobo frontal. Cognitive Brain Research, 16 (1), pp.58-65.

Speaking Science: Por que as pessoas não ouvem o que você diz

Introdução
Você já disse algo a um amigo ou membro da família para depois descobrir que ele ou ela o entendeu completamente mal e nunca mais ouviu você? Muitas vezes as pessoas falam umas às outras sobre informações importantes que não são recebidas de maneira adequada, mesmo quando a conversa ocorre em um ambiente silencioso e próximo. Por que isso acontece? Nesta atividade, você aprenderá por que a comunicação pode ser tão difícil, investigando a psicologia da escuta. Você também perceberá o quanto uma mensagem falada simples pode ser distorcida.

Fundo
O ato de ouvir parece bastante simples: os ouvidos registram os sons produzidos e o cérebro os interpreta, desde que os sons cheguem aos ouvidos e o ouvinte saiba o significado das palavras. No mundo real, entretanto, a situação geralmente é muito mais complicada. Primeiro, para processar mentalmente a mensagem, a pessoa com quem você está falando deve estar prestando atenção. Não apenas distrações externas - mdasha bebê chorando ou uma TV ligada ao fundo - podem desviar suas mentes das palavras, mas seus próprios pensamentos também podem desviá-los do caminho. Perdidos em pensamentos, eles simplesmente não estão ouvindo você.

O processamento da linguagem exige uma boa quantidade de pensamento. Usamos um bloco de desenho mental de curto prazo, chamado memória de trabalho, para manter cada palavra e seu significado em mente por tempo suficiente para combiná-lo com outras. Se o significado de qualquer uma das palavras não estiver claro, a tarefa se torna mais difícil.

Além disso, muitas vezes as pessoas não se expressam claramente em primeiro lugar. Eles se esquecem de incluir antecedentes ou contextos importantes, que podem moldar dramaticamente o significado das palavras. Eles podem murmurar algumas palavras ou simplesmente escolher a palavra errada, uma que não reflita verdadeiramente o que significam. Em suma, mesmo quando o cérebro da outra pessoa está pronto para ouvir, as informações de que precisam de um palestrante nem sempre estão lá.

Materiais
& touro Lápis ou caneta
& touro papel
& touro Quatro ou mais amigos ou familiares
& bull Stereo, TV ou outro dispositivo que faça barulho (opcional)

Preparação
& bull Peça aos seus participantes para se sentarem em círculo.
& bull Explique que você estará sussurrando uma declaração para uma pessoa, que deve então repeti-la para a próxima pessoa & mdas e assim por diante, até que a mensagem chegue a todos. Diga a seus participantes para sussurrar a declaração para seu vizinho apenas uma vez.
& bull Usando uma caneta ou lápis, escreva uma frase com pelo menos 12 palavras. Por exemplo: & quot Sam correu rapidamente para a casa de Jimmy para lembrar seu amigo sobre a tarefa de inglês. & Quot
& bull Memorize a frase e depois dobre o papel, escondendo o seu trabalho. Não mostre o que escreveu.

Procedimento
& bull Junte seus amigos no círculo.
& bull Sussurre a frase que você memorizou para a pessoa ao seu lado de forma que apenas essa pessoa possa ouvi-la.
& bull Peça ao seu vizinho para sussurrar a declaração para a próxima pessoa no círculo.
& bull Observe a mensagem chegar a todas as pessoas do grupo. Observe: o que mais está acontecendo ao seu redor? Todos estão prestando atenção igualmente bem?
& bull Quando a última pessoa ouvir a declaração, peça-lhe que a repita em voz alta.
& bull Escreva essa frase em seu pedaço de papel.
& bull Leia sua frase original para o grupo.
& bull Compare as duas sentenças. Eles são diferentes? O significado da declaração distorcida é o mesmo do original ou mudou de maneira significativa? Se você realmente quisesse dizer isso a alguém, o quanto as diferenças importariam?
& bull Pergunte ao grupo se eles conseguiram ouvir a declaração claramente. As pessoas geralmente achavam que acertaram? O que a resposta deles sugere sobre comunicação e falha de comunicação?
&touro Extra: Escreva uma frase mais simples e curta e repita a atividade. Compare as frases antes e depois novamente. Eles são mais semelhantes desta vez? Porque? Seu novo resultado sugere algo sobre como se comunicar de forma mais eficaz?
&touro Extra: Crie outra declaração mais complexa como a original. Desta vez, deixe as pessoas dizerem a frase ao vizinho mais de uma vez. Compare as frases antes e depois novamente. Eles são mais semelhantes desta vez? Porque? Seu novo resultado sugere algo sobre como se comunicar de forma mais eficaz?
&touro Extra: Tente a mesma atividade novamente com uma nova frase simples, mas desta vez com o rádio ou a TV ligados na sala. As pessoas parecem mais distraídas? Quão próxima é a frase final daquela com a qual você começou? Você acha que o ruído de fundo tornou mais difícil prestar atenção e lembrar a frase?
&touro Extra: Peça ao seu grupo para falar sobre ocasiões em que eles se lembram de ter sido mal interpretados. O que aconteceu? Quais foram as consequências? O que eles acham que deu errado nesses casos? Fale sobre as melhores práticas para uma boa comunicação oral. Você pode criar cinco regras?


Observações e resultados
A declaração que você sussurrou mudou muito durante sua jornada? Muitas vezes as diferenças do original são tão grandes que as pessoas riem. Na vida real, é claro, a falta de comunicação pode ser mais frustrante do que engraçada. Essa frustração pode vir da crença de que a comunicação é direta, embora, como aprendemos nesta atividade, não seja.

O mundo está cheio de distrações, tanto externas quanto internas. Ninguém pode controlar todos eles em um determinado momento. Além disso, o cérebro de todos é diferente & mdashin como funciona e nas informações e experiências que coletou. Assim, o que você pensa que está dizendo pode significar algo completamente diferente para outra pessoa - especialmente se você começar no meio de um pensamento, escolher uma palavra errada ou falar muito rapidamente. Os palestrantes cometem um ou mais desses erros com freqüência - e, pior ainda, raramente percebem quando o fazem.

Depois de perceber os obstáculos à comunicação, você será muito mais compreensivo quando ela falhar & mdashas, ​​bem como será capaz de se comunicar de forma mais eficaz, evitando erros comuns. Pense no que está acontecendo no momento: a outra pessoa parece estar distraída? Se você precisa se repetir, não se irrite. A repetição, como você pode ter aprendido com a atividade acima, é uma boa estratégia para garantir que você seja compreendido. Outra tática é a simplicidade. Veja se uma mensagem básica é suficiente, pelo menos por agora, mas não deixe de fora o histórico ou detalhes críticos!

Mais para explorar
Escuta Ativa: The Telephone Game (pdf) da Peer Education
Ele disse, ela disse de Scientific American MIND
Onde estão os robôs falantes? a partir de Scientific American MIND
Como jogar o telefone da eHow
Sua memória é como o jogo do telefone da Northwestern University
O alívio do estresse pode ser a chave para o sucesso na escola desde Scientific American MIND
As escolas adicionam exercícios para atenção, coragem e controle emocional de Scientific American MIND
Mãos no ar: como os gestos nos ajudam a pensar a partir de Scientific American MIND


O que causa a neuropatia auditiva?

Os pesquisadores relatam várias causas de neuropatia auditiva. Em alguns casos, a causa pode envolver danos às células ciliadas internas - células sensoriais especializadas no ouvido interno que transmitem informações sobre os sons através do sistema nervoso para o cérebro. Em outros casos, a causa pode envolver danos aos neurônios auditivos que transmitem informações sonoras das células ciliadas internas para o cérebro. Outras causas possíveis podem incluir genes herdados com mutações ou danos ao sistema auditivo, qualquer um dos quais pode resultar em conexões defeituosas entre as células ciliadas internas e o nervo auditivo (o nervo que leva do ouvido interno ao cérebro), ou danos ao o próprio nervo auditivo. Uma combinação desses problemas pode ocorrer em alguns casos.


Timpanometria

A timpanometria testa o quão bem o seu tímpano se move. O audiologista colocará uma pequena sonda, que se parece com um fone de ouvido, em cada orelha. Um pequeno dispositivo conectado à sonda irá empurrar o ar para o seu ouvido. A pessoa que está testando você verá um gráfico no dispositivo, chamado de timpanograma. Tudo que você precisa fazer é ficar parado.

A forma do gráfico informa ao audiologista como o seu tímpano se move. Ele mostrará se o tímpano se move da maneira correta, se está muito rígido, se move demais ou se tem um orifício. Isso pode ajudar o audiologista a saber se você tem fluido no ouvido médio, um orifício no tímpano ou cera no canal auditivo. O teste pode ajudar a descobrir se uma criança tem uma infecção no ouvido.


Comunicação com pessoas com perda auditiva

Uma comunicação bem-sucedida requer o esforço de todas as pessoas envolvidas em uma conversa. Mesmo quando a pessoa com perda auditiva utiliza aparelhos auditivos e estratégias de escuta ativa, é crucial que outras pessoas envolvidas no processo de comunicação usem consistentemente boas estratégias de comunicação, incluindo as seguintes:

  • Olhe diretamente para a pessoa com deficiência auditiva, no mesmo nível e com boa iluminação, sempre que possível. Posicione-se de forma que a luz incida sobre o rosto do interlocutor, não nos olhos do ouvinte.
  • Não fale de outra sala. Não ser capaz de se ver durante a conversa é um motivo comum para as pessoas terem dificuldade em entender o que é dito.
  • Fale claramente, devagar, distintamente, mas naturalmente, sem gritar ou exagerar nos movimentos da boca. Gritar distorce o som da fala e pode dificultar a leitura da fala.
  • Diga o nome da pessoa antes de iniciar uma conversa. Isso dá ao ouvinte a chance de chamar a atenção e reduz a chance de palavras perdidas no início da conversa.
  • Evite falar muito rápido ou usar frases muito complexas. Diminua um pouco a velocidade, faça uma pausa entre as sentenças ou frases e espere para ter certeza de que foi compreendido antes de continuar.
  • Mantenha as mãos longe do rosto enquanto fala. Se você estiver comendo, mastigando, fumando, etc. enquanto fala, sua fala será mais difícil de entender. Barbas e bigodes também podem interferir na capacidade de leitura da fala por pessoas com deficiência auditiva.
  • Se o ouvinte com deficiência auditiva ouve melhor em um ouvido do que no outro, tente lembrar-se de qual ouvido é melhor para saber onde se posicionar.
  • Esteja ciente de possíveis distorções de sons para pessoas com deficiência auditiva. Eles podem ouvir sua voz, mas ainda podem ter dificuldade em entender algumas palavras.
  • A maioria das pessoas com deficiência auditiva tem maior dificuldade em compreender a fala quando há ruído de fundo. Tente minimizar o ruído estranho ao falar.
  • Algumas pessoas com perda auditiva são muito sensíveis a sons altos. Essa tolerância reduzida para sons altos não é incomum. Evite situações em que haverá sons altos sempre que possível.
  • Se a pessoa com deficiência auditiva tiver dificuldade em entender uma frase ou palavra específica, tente encontrar uma maneira diferente de dizer a mesma coisa, em vez de repetir as palavras originais indefinidamente.
  • Familiarize o ouvinte com o tema geral da conversa. Evite mudanças repentinas de assunto. Se o assunto mudar, diga à pessoa com deficiência auditiva sobre o que você está falando agora. Em um ambiente de grupo, repita as perguntas ou fatos-chave antes de continuar com a discussão.
  • Se você estiver fornecendo informações específicas - como horário, local ou números de telefone - para alguém com deficiência auditiva, peça que repitam os detalhes para você. Muitos números e palavras soam semelhantes.
  • Sempre que possível, forneça informações pertinentes por escrito, como instruções, horários, atribuições de trabalho, etc.
  • Reconheça que todos, especialmente os com deficiência auditiva, têm mais dificuldade em ouvir e compreender quando estão doentes ou cansados.
  • Preste atenção ao ouvinte. Um olhar perplexo pode indicar mal-entendido. Com muito tato, pergunte à pessoa com deficiência auditiva se ela o entendeu ou faça perguntas importantes para que você saiba que sua mensagem foi transmitida.
  • Revezem-se para falar e evite interromper outros oradores.
  • Inscreva-se em aulas de reabilitação auditiva com seu cônjuge ou amigo com deficiência auditiva.

Os especialistas médicos da UCSF Health revisaram essas informações. É apenas para fins educacionais e não se destina a substituir o conselho do seu médico ou outro profissional de saúde. Nós o encorajamos a discutir quaisquer dúvidas ou preocupações que possa ter com seu provedor.


Existe uma bolha de preços de aparelhos auditivos?

Se você já passou pelo processo de obtenção de um aparelho auditivo, provavelmente deve ter coçado a cabeça ao olhar a conta. Os preços dos aparelhos auditivos podem variar de US $ 1.500 a US $ 3.500 por unidade, mas, de acordo com o Presidente & # 8217s Conselho de Ciência e Tecnologia, o preço médio é de US $ 2.300 por unidade. O dobro se você precisar de um para cada orelha!

Para o lar americano médio, isso equivale a até 2 meses de renda! Aqui está uma explicação detalhada de por que os aparelhos auditivos são tão caros e se existem aparelhos auditivos de baixo custo por aí!

Aumento dos preços dos aparelhos auditivos: por que não existem aparelhos auditivos de baixo custo?

Embora o preço em si pareça exorbitante, o que é ainda pior é seu ritmo contínuo de crescimento: na última década, o o preço de um aparelho auditivo retroauricular (BTE) médio mais que dobrou. Mesmo hoje, os pontos de preço não estão diminuindo. Normalmente, não vemos aparelhos auditivos de baixo custo.

A maioria dos aparelhos auditivos hoje em dia é composta por processadores de sinais digitais. O que é surpreendente é que se esperava que a tecnologia digital reduzisse o custo de produção de um aparelho auditivo. Afinal, a tecnologia digital também tornou os eletrônicos de consumo muito mais baratos: pense em como o custo de um aparelho de DVD comum despencou na última década.

Os componentes de um aparelho auditivo são de fato comoditizados: custam no máximo US $ 50 a US $ 150 por dispositivo, mas podem chegar a alguns dólares. Se, além disso, a maioria dos principais fabricantes mudou sua produção para a China de baixo custo (por exemplo, Phonak), por que os consumidores ainda veem os níveis de preços em alta?

Por um tempo, a quantidade cada vez maior de gastos com pesquisa e desenvolvimento mudou para o desenvolvimento de um software sofisticado de processamento de sinal que tratava de tudo, desde situações complexas de reconhecimento de voz até o cancelamento de ruído eficaz. No entanto, isso também se tornou um padrão.

Preços de aparelhos auditivos gerenciáveis: onde estão os aparelhos auditivos de custo mais baixo?

Mais importante, os fabricantes gastaram recursos substanciais de pesquisa e desenvolvimento tornando os dispositivos menores, mais poderosos e repletos de uma infinidade de novos recursos: Bluetooth, integração sem fio, controles remotos, mais de 20 canais. No entanto, as melhorias no alívio da perda auditiva estão se tornando cada vez mais marginais: para a maioria das pessoas, não há benefício percebido notável além de 4-5 canais.

Muitos argumentam que os dispositivos hoje em dia têm uma engenharia excessiva para o usuário médio com perda auditiva leve ou moderada & # 8211, no entanto, isso dá aos fabricantes uma desculpa para cobrar preços mais altos apresentando modelos “mais novos e melhores”. Pense desta forma: se você precisa ir de A para B, um Rolls Royce com certeza tornaria o passeio mais agradável do que um Honda. Mas a Honda também vai levá-lo de A a B, de maneira segura e confortável. Parece que quando se trata de aparelhos auditivos você não tem a opção de optar pelo Honda: você é forçado a comprar o Rolls Royce.

De longe, o fator mais importante para os níveis atuais de preços de aparelhos auditivos tem a ver com a estrutura da indústria subjacente, a relação entre fabricantes, audiologistas e pacientes finais. Você já pensou em como alguns componentes que custam no máximo US $ 100, montados na China, de repente se transformam em um aparelho auditivo de US $ 2.500? Embora muitos eventos recentes sugiram que aparelhos auditivos de baixo custo pode estar ao virar da esquina (Audicus é um exemplo), esta bolha de preços é material para muitos posts que virão.

Leia mais sobre os preços crescentes de aparelhos auditivos em comparação com outros produtos eletrônicos de consumo.


Minha experiência com compreensão auditiva de língua estrangeira

Eu estou em uma jornada com a língua árabe há mais de 12 anos. Comecei a estudar esta língua e alguns de seus dialetos quando tinha 18 anos e ainda estou trabalhando nisso.

Apesar da minha determinação e entusiasmo no meu primeiro ano de árabe, não foi até cerca de 3 anos depois de Eu tinha começado que um dia tive isso momento incrível de epifania durante uma conversa com alguns amigos egípcios.

"Oh meu Deus! Tudo o que você está dizendo agora faz todo o sentido para mim! Eu realmente não tenho que tentar entender você mais - Eu acabei de entender.”

Realmente aconteceu assim para mim.

Foi de repente momento definidor de realização - quase como se minha habilidade de compreender outra língua se tornasse aparente durante a noite. Era assim que eu me sentia, embora eu soubesse que era um processo gradual ao longo de muito tempo.

Na foto no topo da página está uma garota que conheci na Rússia no início deste ano, durante minha viagem de imersão na língua russa.

Ela não fala uma palavra em inglês e quando a conheci mal conseguia falar uma palavra em russo.

Quando ela falou comigo no início, foi apenas uma mistura de sons que não fizeram nenhum sentido para mim.

Mas depois de me concentrar deliberadamente em melhorar minhas habilidades de compreensão (Glossika foi muito útil para isso), acabei tendo um momento semelhante de epifania há cerca de um mês, quando estava com ela e de repente percebi que a estava entendendo com muito menos esforço.


Os surdos podem ouvir o som de comida crocante na cabeça enquanto comem?

Os surdos podem ouvir o som de comida mastigando dentro de suas cabeças como nós? Ou é principalmente a sensação da concussão dentro do crânio? Isso veio do meu amigo postar algo no Facebook. http://i156.photobucket.com/albums/t26/anth4484/redditquestion.jpg

Exatamente. Sempre tenha em mente que surdos podem ser por motivos diferentes, uma lista provavelmente não exaustiva:

Problema com o ouvido externo

problema com os ossos do ouvido

problema dentro da cóclea (detector de sinal)

problema com os nervos auditivos

problema com o processamento dos sinais auditivos em uma das muitas áreas onde são processados.

Portanto, basicamente, eu sugeriria que qualquer pessoa com problema de cóclea ou posterior não será capaz de perceber qualquer mastigação ou outros sons corporais, mas tenha em mente que temos dois de todos e eles podem não ser igualmente prejudicados.

Qualquer pessoa "surda" devido a um problema antes da cóclea deve, em princípio, ser capaz de ouvir uma grande quantidade de sons, mas provavelmente mesmo se o tímpano ou os ossos posteriormente (que transmitem o sinal do tímpano para a cóclea) estiverem prejudicados, o & quotsom & quot ser muito diferente.

porque obrigado. Fiquei realmente curioso depois da nossa discussão no Facebook.

Como você pode entender o que é um som se você for surdo? Se você nunca foi capaz de ouvir, não faria você ficar louco para tentar pensar em como poderia ser?

Você pode comentar aqui com relação a este post também? O OP do tópico vinculado tem um ponto em que assistir este gif estimula a parte do meu cérebro que está esperando ouvir som. É um pouco desorientador ver algo assim e não receber a estimulação sensorial esperada.

Sua descrição da experiência tem muitos componentes viscerais que me lembram o que tenho negligenciado. Muito interessante, obrigado por compartilhar.

Contraponto: eu sou surdo com um implante coclear instalado em um lado da minha cabeça. Posso ouvir o barulho sem usar o implante. No entanto, acho que é & # x27 minha mente & quot preencher o vazio & quot com os sons que estou & # x27m familiarizado quando posso ouvir.

Tenho a tendência de fundir os sentidos do tato e da audição, colocando sons inconscientemente em eventos que posso & # x27t, mas, de outra forma, ouviria. Da mesma forma, fico muito mais sensível a sentir o ambiente a fim de avaliar o movimento e o som. Como resultado, eu & quothear & quot o ambiente por ecos de sons familiares em minha cabeça.

Pergunta secundária, você ainda precisa despressurizar seus ouvidos durante o vôo?

Desculpe se esta é uma pergunta estúpida, mas você pode & quotsentir & quot realmente sons graves?

Ninguém nunca me explicou como mastigar com tantos detalhes. Isso foi muito legal.

Além disso, obrigado por responder isso. Eu sempre me perguntei!

Parece que você tem uma experiência sensorial muito melhor do que a maioria!

Como ouvinte, ponderei como poderia descrever o que é o som para uma pessoa surda ou como é a visão para um cego. Eu descobri que simplesmente não consigo fazer isso de forma adequada, o conceito é muito abstrato.

Para aqueles que pensam o contrário, tente pensar em uma cor primária nova e exclusiva e, em seguida, descreva-a também para nós.

Se você não se importa que eu pergunte, o que você acha de ouvir? Você acha que tem uma ideia de como é, ou você pensa a respeito disso da mesma forma que eu sinto pela localização de eco em morcegos e golfinhos? Você já teve uma boa descrição disso?

Você acha que algum dos seus outros sentidos foi aprimorado?

toda vez que entro em um tópico sobre surdos, silencegold é sempre o comentário número um, lol!

Odeio quando estou assistindo a um filme ou programa e minha compressão sobrecarrega o áudio.

você sempre foi surdo? Sempre tive curiosidade em saber como um surdo aprende a ler e escrever sem som. bem, eu acho que você poderia aprender a linguagem de sinais. que então você "traduz" as letras de sinais para a linguagem de sinais. Hmm.

Espero que você possa responder esta, por favor.

Você consegue se ouvir falando sozinho? Você sabe, você pode ouvir sua própria voz em sua cabeça?

Para o registro, vindo de alguém com uma audição perfeita, você apenas tem a melhor descrição de comer uma batata frita. Nunca pensei nisso assim, acho que o som é simplesmente insuportável.

Nome (s) de usuário relevante (s) que ele possui.

Nome (s) de usuário relevante (s) que ele possui.

Minha esposa é fonoaudióloga, então farei o possível para transmitir o que aprendi com ela:

A surdez pode ser atribuída a muitos fatores. Pode haver problemas com seu ouvido externo (seu ouvido visível, canal auditivo e tímpano) que afetam a condução aérea (capacidade de ouvir as ondas sonoras passando pelo ar - é & # x27s o que você pensa quando pensa em & quothearing & quot). Os problemas do ouvido externo são geralmente um tímpano ausente ou danificado / malformado. Você também pode nascer sem um canal auditivo. O próximo nível de problemas auditivos está no ouvido médio, que contém os ossículos (os ossinhos que transmitem as vibrações do tímpano à cóclea). Você pode ter fluido em seu ouvido médio que amortece a condução aérea (mas não a condução óssea - mais sobre isso mais tarde)

Existem dois modos de audição: condução aérea e condução óssea. A condução aérea é o que a maioria das pessoas pensa quando fala em ouvir ondas sonoras que passam pelo ar e que fazem o tímpano vibrar, o que (indiretamente) passa as vibrações para a cóclea. A condução óssea (sobre a qual o OP está perguntando) é quando as vibrações são transmitidas à estrutura óssea da sua cabeça (através do crânio, mandíbula, etc.) e as vibrações são transmitidas à cóclea dessa forma, contornando o tímpano.

Para a pergunta do OP & # x27s, uma pessoa & quotsurda & quot poderia ouvir os ruídos de mastigação associados a comer se fossem suficientemente altos, dependendo da causa de sua perda auditiva.

A perda auditiva pode ser causada por problemas com o ouvido externo (canal auditivo, tímpano), ouvido médio (ossículos - martelo, bigorna, estribo), ouvido interno (cóclea), nervo auditivo (que transporta o sinal da cóclea para o cérebro) , ou algum outro distúrbio do processamento auditivo (incapacidade do cérebro de processar os sinais enviados pela cóclea, tumor afetando essa região do cérebro, etc.).

Problemas de ouvido externo, como tímpanos malformados ou inexistentes / rompidos, infecção do ouvido externo (como ouvido de nadador & # x27s) ou falta congênita de canal auditivo podem causar perda auditiva, pois prejudicam a condução do ar. Na verdade, eles não afetam a capacidade da cóclea, o órgão auditivo.

Problemas de ouvido médio (principalmente) afetam os ossículos. Os ossículos são o martelo, a bigorna e o estribo, os ossinhos que agem juntos para transmitir as vibrações do tímpano à cóclea. Ossificação dos ossículos ocorre quando eles essencialmente se fundem, impedindo-os de se moverem adequadamente para conduzir o som do tímpano para a cóclea. Os problemas do ouvido médio também se estendem a infecções de ouvido e / ou fluidos no ouvido médio. Uma nota lateral, a trompa de Eustáquio conecta seu ouvido médio a sua cavidade nasal - isto é o que & quotpops & quot para deixar o ar entrar ou sair de seu ouvido médio para corrigir qualquer diferença de pressão entre a atmosfera e seu ouvido médio (como quando você está dirigindo montanha, decolagem / pouso em um avião, etc). A menos que o tímpano tenha um orifício devido a tubos permanentes ou malformado, mesmo os surdos sentem o desconforto dessa diferença de pressão. Se eles podem "ouvir" o pop, no entanto, depende de:

Problemas do ouvido interno. Sua cóclea é o ouvido interno, é o órgão auditivo. Tem a forma de uma concha de caracol (cóclea vem da palavra grega kokhlias, ou & quotsnail & quot). Para a condução aérea, os ossículos vibram contra a "janela coclear" na extremidade larga da forma da concha, que vibra o fluido na cóclea passando pelas células ciliadas internas que, quando perturbadas, enviam um sinal ao cérebro através do nervo auditivo. A condução óssea transmite diretamente o som para a cóclea através do crânio, embora os sons sejam geralmente menos claros por este modo de condução. Suas células ciliadas são sintonizadas em várias frequências (tons de som), com as células ciliadas de alta frequência localizadas no início da câmara coclear e as células ciliadas de baixa frequência localizadas no final da câmara (o centro da concha do caracol). A perda auditiva associada ao envelhecimento é normalmente causada pela morte das células ciliadas internas, diminuindo a força do sinal sonoro enviado ao cérebro. Além disso, uma vez que as células ciliadas de alta frequência estão localizadas no início da câmara coclear e são "atacadas" por tons de alta e baixa frequência, normalmente são elas que morrem primeiro. Existem muitas razões pelas quais a cóclea pode não funcionar corretamente, muito além do meu conhecimento ou mesmo do escopo deste tópico. De volta à pergunta da OP & # x27s, contanto que a cóclea não esteja muito danificada, uma pessoa "surda" ainda pode ouvir comida sendo triturada em sua boca. Em uma nota lateral, a cóclea também é onde seu senso de equilíbrio é controlado.

Finalmente, problemas com o nervo auditivo ou com a capacidade do cérebro de processar sinais auditivos podem causar perda de audição. Esses tipos de perda auditiva são geralmente os mais graves e não há muito que possa ser feito para ajudar as pessoas com esse tipo de perda auditiva. Nesse cenário, a pessoa surda é surda no sentido estereotipado em que não consegue ouvir nada ou, mesmo que seus ouvidos funcionem corretamente, seu cérebro não tem como entender as informações que está recebendo.

Existem, é claro, vários graus de gravidade em todos esses problemas auditivos. Se a cóclea está funcionando pelo menos um pouco, o paciente pode ser um candidato a um implante coclear que é (muito) basicamente um aparelho auditivo cujo componente de alto-falante está dentro da cóclea. Os aparelhos auditivos normais podem superar perdas auditivas menores associadas à função coclear diminuída, amplificando os sons por via aérea. Você também pode receber um aparelho auditivo de condução óssea que permite que pacientes com problemas de ouvido médio que não desejam cirurgia (ou a cirurgia não os ajudará) ainda se beneficiem de um aparelho auditivo.

Sei que esta postagem foi muito além da pergunta feita, mas espero que tenha sido interessante. Eu sei que minha esposa também gostaria que eu dissesse a todos vocês, pelo menos, estas duas coisas:

Se você acordar um dia e sua audição diminuir repentinamente ou diminuir severamente, POR FAVOR, consulte um ENT imediatamente. A perda auditiva neurossensorial súbita (SSHL) é muito tratável se for tratada imediatamente com esteróides. A maioria das pessoas recupera toda ou a maior parte da audição se o tratamento for iniciado imediatamente. Se você não cuidar disso imediatamente, porém, sua audição pode nunca mais voltar.

Se você tiver perda auditiva ou um pai de uma criança com deficiência auditiva (especialmente uma criança), consulte um audiologista! For children, hearing is a critical component of childhood development and learning. For adults, it's a major quality of life concern. If your vision isn't good, you get glasses and don't think twice about it, right? Do the same for your hearing. See and audiologist and, if needed, get fitted for hearing aids. And stay away from hearing aid dealers. They are salesmen trying to sell you something. Audiologists go through a 4-year doctoral program and are licensed by the American Speech and Hearing Association (ASHA) to test, diagnose, and consult with patients to decide the best course of treatment for each individual patient. You also tend to get better repair benefits/warranties through an Audiologist than you would from a hearing aid dealer.


Ears: Do Their Design, Size and Shape Matter?

Introdução
Have you ever been puzzled by a faint noise nearby, trying to discover what it is? Maybe you turned your head or cupped your hand behind your ear, hoping to hear the sound better. What if we could make this cup huge? Some animals know the answer. Many animals with exceptional hearing have big ears. A serval (a type of African wildcat), for example, can hear a mouse wiggling its way underground. And bats, which rely on sound to help navigate in the dark, have notoriously large ears on their small heads.

In this activity you will design and test your own earlike "hearing aids," looking at animal ears for clues about what helps improve the auditory sense.

Fundo
Sound travels through the air in the form of pressure waves. After these enter your ear canals (the holes on each side of your head), the inner ear (the part inside your head) jumps into action. It translates the sound waves into nerve signals&mdasha sort of code&mdashthat are sent to the brain to process. It is only then that you ouvir the sound.

It seems like the inner ear does most of the work, so why do extensions of the ear that stick out on both sides of the head exist? It turns out these pieces&mdashalso called pinnae or auricula&mdashact like funnels: They collect, amplify and direct sound waves to the ear canal.

Pinnae are not randomly created. Take the human pinna, for example. Its twists and folds are such that they specifically enhance sounds with a pitch that is typical for a human voice, a sound humans care about. They enhance these sounds up to 100 times and leave other pitches untouched. In other words, it&rsquos a handy built-in listening tool that reduces background noise.

The human pinna also helps determine sound direction. Whereas sounds from the front and sides are enhanced by the pinna, those coming from the back are reduced. This leads to small differences in volume administered by our two ears. Together with the difference in arrival time, this helps us deduce the location of the sound source.

So now you understand a little more about the human pinnae. But what would it be like to have animal pinnae? Would immense earflaps (such as the ones elephants have) improve our hearing? Maybe we can try cupped pinnae that rotate? What about giant cones?

  • Heavy construction paper
  • Tesoura
  • Fita
  • A radio, CD player or other musical device with speakers or with a headset (Ear buds do not work well for this activity.)
  • Two paper plates (optional)
  • Markers or other decorative materials (optional)

Preparação

  • To prepare, you will create two or three types of pinnae. A pinna is the scientific name for the extension of the ear that sticks out from the side of the head.
  • First, create a pair of cone-shaped pinnae, also called ear trumpets. Roll a sheet of heavy construction paper in a wide cone. One side should have a hole that is small enough so it can rest in your outer ear, near the ear canal. (To avoid injury, do not insert anything inside your ear canal.) Use tape to secure the cone shape. Build a second identical cone to complete your pair of ear trumpets.
  • For your second pair, create wide and flappy pinnae, like elephants have. Lay two pieces of heavy construction paper on top of each other and trim the edges to create two elephant ear&ndashlike shapes.
  • Opcional: Create cupped ears by cutting a triangular piece from a paper plate. Imagine if your plate were a round cake, you would cut a quarter piece of the cake away and discard that piece. Holding or taping the two cut sides of the larger piece together creates a hole, making a nice cupped pinna to put on your ear. Make a second identical one for your other ear. Because you will put these pinnae around your ears, you might want to cover the cut edges with tape.
  • Opcional: Decorate the pinnae.
  • Put the radio, CD player or other musical device with speaker on low volume, so you barely can detect the sound. If you use a headset, leave it on the table and put the volume on high so you can hear a faint sound without wearing it. Stand close to the speaker or headset, with one ear turned toward it. Leave enough space so you can put an ear trumpet between your ear and the speaker or headset. Listen to the sound. How does it sound? Faint, barely audible?
  • Place the ear trumpets in your ears so the small holes rest in the outer ear, close to the ear canal. Point the wide-open end of one cone toward the speaker or headset. Point the other cone in the opposite direction (away from the speaker or headset). Your head should be at approximately the same position as in the first step. Listen to the noise. How does it sound this time? Is it slightly louder or fainter? Can you still hear the sound? If it is louder, turn the volume slightly down until you can just barely hear the sound. Remove the ear trumpets and listen again. Can you hear the sound from the same distance without the cones?
  • Put the ear trumpets back on so the small holes are pointing toward your ear canal and one of the wide openings points toward the speaker. Test to make sure you can still hear the sound. Now turn your head so you are looking at the speaker and the ear trumpets are pointing to the sides. How does it sound this time? Are you still able to detect the sound?
  • To test what cupped pinnae might sound like, cup your hands around your pinnae, curving them forward a bit. Listen to the faint noise while you look at the speaker. Does the hand help you hear the sound? Which hand position enhances the sound best?
  • Animals often tweak their ears. Do you think tweaking your cupped pinnae will make a difference? To test this, let the cup of your cupped hand point toward the sound source, then downward and then backward (away from the sound source). Does a particular position help you hear the faint sound better?
  • Some animals have huge, flappy ears. Do you think these help them hear well? To test this, place the wide and flappy pinnae&mdashthose that look a little like elephant ears&mdashbehind your outer ears so they extend your pinnae. Listen to the sound. How does it sound? Do you need to adjust the volume to make it faintly detectable? Turn your head to test all directions. Did these actions help your hearing?
  • Because the pinnae are part of the ear, we tend to associate them with hearing, but maybe animals developed specific pinnae to help them in other ways. Can you come up with other reasons why animals might have large pinnae?
  • Extra: Test your cupped paper plate pinnae the same way you tested the hand-cupped pinnae.
  • Extra: To get a bit more creative, let&rsquos mix and match outer ears. What happens if you combine an elephantlike pinna on the right side with an ear trumpet on the left? What happens if you cup your right hand facing forward around one ear and your left hand facing backward around the other? Close your eyes and listen carefully. How does the volume change? Can you also guess the sound&rsquos direction?
  • Extra: Look at the shape, position and direction of real-life animal ears in a book, on the Internet or as you come across animals in person. How do you think the characteristics of their pinnae help that animal? Might these pinnae perform other tasks beyond hearing?
  • Extra: Use your best design to go on a noise detection quest. How many different sounds can you detect? Can you locate where they come from? You might be surprised how many noises you can detect just by directing your attention and listening carefully.


Observations and results
Did the ear trumpets and cupped pinnae improve your hearing when the wide parts or cups were pointed to the sound source but reduce your hearing when they were pointed elsewhere? This is to be expected, because pinnae serve as funnels for sound waves. Bigger funnels (like the ear trumpet or hand-cupping) collect more sound waves, so you hear the sound better. Because they are big, however, they can also hinder a sound from reaching your ear canal. That is why they made the sound appear fainter when you turned your head or cupped your hand backward (away from the sound source).

The big, flappy elephantlike ears probably did not enhance your ability to pick up a sound. One of their non-hearing uses is to help animals cool down. These ears are full of tiny blood vessels ready to release body heat. Humans sweat to cool down. Although large, flappy ears are useful, they are not generally useful as hearing aids.

Unlike humans, many animals can deliberately move their ears (beyond a wiggle, that is). Some (such as horses) can even move each ear independently. They point the cupped ear, as needed, to enhance a sound and localize the source. Your brain is not trained to use ears that move, so when testing different directions, you might have felt a little confused, unable to identify the source well. A similar confusion can happen when you combine different types of pinnae. To effectively use these new pinnae, you would need to wear them for a period of time to retrain your brain.

The human pinna helps you focus on interesting sounds by selectively amplifying sounds with a pitch similar to that of a human voice. The pinnae you created are too simple to amplify specific pitches but animal ears or hearing aids can. As sounds get processed, your brain further helps you ignore background noise. Your noise detection quest will probably bring interesting sounds to your awareness, sounds you usually ignore. Your designer pinnae might still be very helpful to detect and localize faint sounds.

This activity brought to you in partnership with Science Buddies


Personal Sound Amplification Products Can Help Seniors Hear Better

Dear Savvy Senior,
What types of amplification products can you recommend to help people with hearing impairment? My 62-year-old husband has some hearing issues, but doesn't think he needs a hearing aid, so I'm looking for some alternative devices that can help.

Dear Shouting,
If your husband is reluctant to get a hearing aid, there are dozens of "personal sound amplification products" (PSAPs) that can help him hear better at a lower cost than most hearing aids, which can run up to $3,000 each.

PSAPs are over-the-counter electronic products (they are not FDA approved medical devices like hearing aids) that come in many different shapes and sizes that will give your husband the ability to adjust the volume and tone so he can hear better in different situations.

It's also important to know that PSAPs work best for people with mild to moderate hearing impairment, you don't need a prescription to buy them, and they usually aren't covered by insurance or Medicare.

Before you look into PSAPs, your husband should probably get tested by an audiologist who can rule out any medical issues that could be affecting his hearing like excessive ear wax, an infection, abnormal bone growth or inner-ear tumor. Audiologists are also familiar with the different PSAPs and can help your husband choose the best products to meet his needs, or let him know if a hearing aid would be a better option.

Here's a breakdown of some of the different PSAPs that can help.

TV and Telephone Amplifiers: To hear the television better, there are a number of TV listening devices on the market that will let your husband increase the volume and adjust the tone to meet his needs, without blasting out you or the rest of the family.

The best options available today are wireless infrared or radio frequency systems that come with standard or stethoset headphones. Sennheiser makes some of the best TV listening products sold today with prices running between $250 and $350.

If hearing over the telephone is a problem, a handset or in-line amplifier can be added to your phone for a few dollars, or you can purchase an amplified telephone. Most amplified phones allow you to adjust the volume and tone for better clarity and they usually come with extra loud ringers and flashing ring indicators to alert you when a call is coming in.

Some top makers of these products are Clarity, ClearSounds and Serene Innovations, with prices ranging anywhere from $30 up to around $300. Or, see if your state has a specialized telecommunications equipment program, which provides amplified telephones for free.

Personal Sound Amplifiers: For better hearing in noisy environments, your husband should get a personal sound amplifier that's designed to amplify hard to hear sounds (like voices), while reducing background noise. Able Planet offers two excellent products that fit the bill that are worn either in-ear or behind the ear, and run $475 or $500 for one, or $850 or $900 a pair.

To help improve hearing at home or in quieter settings, or if your husband has high-frequency hearing loss, check out the Bean Quiet Sound Amplifier by Etymoyic. This product, which is worn in the ear, provides amplification to high frequencies more than low ones, making speech easier to hear and understand. Cost: $700 a pair or $375 for one.

If these are too pricy, there are also a number of small hand-help amplifiers that come with a small microphone and ear buds that can increase volume without all the other features. These products typically run around $100 or less, and are available through companies like Sonic Technology Products, Sonic Alert and Harris Communications.